A obra-prima de Erico Verissimo, um dos maiores clássicos da história da literatura brasileira, está na Netflix

Converter literatura, uma forma de arte onde palavras e ideias se unem harmonicamente, em obras audiovisuais é um processo que frequentemente resulta em perdas significativas. No cinema, que depende fortemente das imagens, a transição de uma narrativa escrita para a tela implica na perda de nuances semânticas, uma vez que as representações visuais dos cenários imaginados pelos leitores dificilmente correspondem a todas as expectativas individuais.

 O filme “O Tempo e o Vento”, adaptado do romance de Erico Verissimo por Letícia Wierzchowski e Tabajara Ruas, ilustra esse dilema. Apesar da adaptação técnica ser de alta qualidade e da direção de Jayme Monjardim, conhecido por seu estilo grandioso, o filme não consegue capturar plenamente a profundidade dramática e a fluidez da obra original, uma trilogia histórica com rica narrativa distribuída em três volumes.

“O Tempo e o Vento” oferece uma visão profunda da formação do Rio Grande do Sul através de suas três partes: “O Continente”, “O Retrato” e “O Arquipélago”. Cada volume apresenta uma faceta distinta da história regional, com “O Continente” e “O Arquipélago” referindo-se à geografia do Pampa, enquanto “O Retrato” fornece uma análise íntima dos personagens centrais e suas complexidades.

Essa abordagem detalhada e contextualizada pode não ressoar igualmente com todos os públicos, especialmente aqueles de fora da região sul do Brasil, e ainda mais em tempos contemporâneos, dado que a narrativa começa há mais de um século. “O Retrato” se destaca como o núcleo da trilogia, situando os personagens em meio aos conflitos que se estendem por sessenta anos, pontuados por batalhas intermitentes e momentos de trégua.

A adaptação de Wierzchowski e Ruas privilegia as cenas mais intensas e emocionantes do livro, culminando em um final onde o lirismo e a paixão pela terra são ampliados para uma audiência global, destacando o compromisso ambientalista do protagonista. Sete décadas após sua publicação inicial, “O Tempo e o Vento” mantém sua relevância, configurando-se como uma obra clássica aplicável a qualquer época ou lugar.

No filme, Monjardim constrói uma narrativa visual rica, ilustrando o conflito entre os republicanos presidencialistas e os federalistas favoráveis ao parlamentarismo, que resultou em uma guerra civil com um saldo de mais de dez mil mortos. O enredo é alimentado pelo romance entre o capitão Rodrigo Cambará, um forasteiro que morre em batalha e surge como espírito, e Bibiana Terra, pertencente a uma das famílias mais tradicionais do sul do Brasil. As atuações de Thiago Lacerda e Fernanda Montenegro dão vida às narrativas de luta e resistência, proporcionando uma representação corajosa e envolvente dos eventos históricos.


Filme: O Tempo e o Vento
Direção: Jayme Monjardim
Ano: 2013
Gêneros: Drama/Romance
Nota: 8/10

FONTE: REVISTA BULA

Filtro Categorias

Artigos relacionados

Livraria Leitura inaugura nova loja no Uberlândia Shopping

Livraria Leitura inaugura nova loja no Uberlândia Shopping

Ministério da Cultura avança nas negociações para criação de um edital para feiras e ações literárias

Ministério da Cultura avança nas negociações para criação de um edital para feiras e ações literárias

MinC disponibiliza modelos de editais da PNAB para projetos de apoio ao livro, leitura, literatura e bibliotecas

MinC disponibiliza modelos de editais da PNAB para projetos de apoio ao livro, leitura, literatura e bibliotecas

Prêmio Jabuti Acadêmico divulga os semifinalistas da sua primeira edição

Prêmio Jabuti Acadêmico divulga os semifinalistas da sua primeira edição

Silvia Pimentel é a Personalidade Acadêmica do Prêmio Jabuti Acadêmico 2024

Silvia Pimentel é a Personalidade Acadêmica do Prêmio Jabuti Acadêmico 2024

PLP 68/24 da Reforma Tributária do Consumo pode aumentar o custo do livro em pelo menos 16%

PLP 68/24 da Reforma Tributária do Consumo pode aumentar o custo do livro em pelo menos 16%