8 romances de autoras mulheres que você precisa conhecer

Conceição Evaristo, Aline Bei, Camila Sosa, Elena Ferrante e outros nomes fazem da literatura cada vez mais poderosa e relevante

Dia Internacional da Mulher, celebrado nesta sexta-feira (8), é marcado historicamente por lutas por direitos. O processo de construção dessas lutas pode ocorrer de diversas formas, dentre eles o uso da literatura, seja para empoderar, levar informação ou fazer “viajar” no tempo e no espaço, recordando fatos importantes ou criando narrativas fictícias.

Muitas autoras marcaram gerações e impactaram o Brasil e o mundo com a escrita de romances e livros de não-ficção, como Simone de Beauvoir, Virginia Woolf, Carolina Maria de Jesus, Clarice Lispector.

Mas a literatura é viva e vem sendo produzida com maestria por muitas outras mulheres que vieram depois desses ícones.

Confira abaixo oito títulos escritos por autoras contemporâneas e que apresentam personagens femininos marcantes no centro da trama.

1 – “Ponciá Vicêncio”, de Conceição Evaristo

Escrito pela imortal da Academia Mineira de Letras Conceição Evaristo, de 77 anos, o livro conta a história de Ponciá, desde a infância até a fase adulta, abordando seus afetos e desafetos na família e fora dela.

O enredo é centrado na herança identitária do avô da protagonista, estabelecendo um diálogo constante entre passado e presente, imaginação e realidade, lembranças e fatos. A obra é de 2017 e foi publicada pela editora Pallas.

“Conceição Evaristo é uma mulher negra que foi empregada doméstica e conseguiu chegar ao topo da academia. Ela tem várias obras publicadas, mas ‘Ponciá Vicêncio‘ talvez seja seu romance mais conhecido”, diz à CNN a professora de literatura Claudia Fernandes.

2 – “O peso do pássaro morto”, de Aline Bei

A autora paulistana Aline Bei, de 36 anos, conta uma história densa e violenta, mas também poética, de uma mulher que, com todas as forças, tenta não ser apenas a dor de que sente que é feita.

Romance de estreia de Bei, o enredo passa por momentos simples do cotidiano dessa personagem, mas também por tragédias que persistem a gerações.

“‘O Peso do Pássaro Morto‘ fala da trajetória de vida de uma mulher. A gente pensa que a personagem poderia ter tido ao menos um suspiro na vida, porque ela passa por muitas desgraças, mas, ao final, ela alcança uma alegria genuína com a vida que leva”, comenta Claudia.

3 – “A noite em que ela desapareceu”, de Lisa Jewell

A autora britânica best-seller do New York Times Lisa Jewell, de 55 anos, conta a história de três mulheres, sob os pontos de vistas delas, em três linhas do tempo simultâneas. O livro é lançado neste mês no Brasil pela editora Intrínseca.

Talullah, que é mãe de um bebê, desaparece, o que faz a vida da mãe dela, Kim, virar de ponta-cabeça. Sophie é uma escritora que tenta se acostumar com uma nova vida, mas o destino dela se torna peça-chave na investigação.

O desaparecimento serve como pano de fundo para apresentação de cada uma das mulheres, que guardam segredos e mágoas. O enredo traz discussões sobre maternidade na juventude, relações abusivas e sexualidade.

Em “A noite em que ela desapareceu“, Lisa Jewell mostra sua habilidade de desenvolver histórias nas quais nada é o que parece ser.

4 – “Tudo é rio”, de Carla Madeira

Livro de estreia da belo-horizontina Carla Madeira, de 60 anos, publicando pela editora Record em 2021, “Tudo é rio” narra a história do casal Dalva e Venâncio, que tem a vida transformada após uma perda trágica.

Tal perda tem relação direta com Lucy, uma prostituta cobiçada da cidade que passa a formar um triângulo amoroso com eles.

A metáfora do rio no título se revela por meio da narrativa que flui – ora intensa, ora mais branda – de forma ininterrupta, mas também por meio dos líquidos que aparecem constantemente na obra: suor, saliva, sangue, lágrimas, sêmen.

5 – “Oração para desaparecer”, de Socorro Acioli

Lançado pela editora Companhia das Letras no ano passado, este livro é o segundo romance da jornalista e escritora fortalezense Socorro Acioli, de 49 anos.

“Oração para desaparecer” conta a história de Cida, que, sem identidade nem memória, reconstrói pouco a pouco uma nova vida em um lugar completamente desconhecido, apenas com a língua portuguesa como porto seguro.

Outros três personagens, Jorge, Joana e Miguel vivem outras situações, mas, quando os quatro se cruzam em busca de respostas para as próprias angústias, se deparam também com uma trama fantástica sobre magia, ancestralidade e pertencimento.

“Socorro Acioli é uma autora cearense que está em ascensão. ‘Oração para desaparecer’ foi o último livro publicado por ela. Acho que é um ‘Torto Arado’ escrito por uma mulher, se é que a gente pode fazer esse tipo de comparação”, reflete a professora de literatura Claudia Fernandes.

6 – “O parque das irmãs magníficas”, de Camila Sosa Villada

Neste livro, a escritora argentina Camila Sosa Villada, de 42 anos, conta a história da personagem tia Encarna, uma travesti de 178 anos que, em uma noite, encontra um bebê abandonado e decide adotá-lo.

A decisão muda para sempre a vida dela e de suas amigas travestis. “O parque das irmãs magníficas” foi lançado pelo selo TusQuets Editores, da PlanetaDeLivros, em 2021.

“Um livro magistral. Tia Encarna é uma das maiores personagens que já li (…) estará para sempre no meu horizonte de humanidade. Sua complexidade, suas grandes tetas de óleo de avião, seu doce namorado, que é um homem sem cabeça. Nunca, nunca vou esquecer”, escreveu a autora Aline Bei nas redes sociais.

7 – “A filha perdida”, de Elena Ferrante

Em “A filha perdida“, a escritora italiana Elena Ferrante acompanha os sentimentos conflitantes de uma professora universitária de meia-idade, Leda, que faz uma viagem ao sul da Itália após as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá.

Logo nos primeiros dias, ela volta toda a sua atenção para uma ruidosa família de napolitanos, em especial para Nina, a jovem mãe de uma menininha chamada Elena.

Cercada pelos parentes autoritários e imersa nos cuidados com a filha, Nina faz Leda se lembrar de si mesma quando jovem e cheia de expectativas.

A aproximação delas, no entanto, desencadeia em Leda uma enxurrada de lembranças e segredos que ela nunca conseguiu revelar a ninguém.

O livro foi lançado originalmente em 2006, mas só chegou ao Brasil em 2016 pela editora Intrínseca. Em 2021, virou filme homônimo e está disponível na Netflix.

“Elena Ferrante é uma autora italiana. Isso é um pseudônimo dela. Ela nunca revelou para ninguém quem ela é, nunca deu entrevistas faladas. E ela tem uma legião de fãs no mundo inteiro”, explica a professora Claudia.

8 – “Um defeito de cor”, de Ana Maria Gonçalves

O livro de 2006 “Um defeito de cor“, da escritora mineira Ana Maria Gonçalves, de 54 anos, conta a >história de uma africana idosa, cega e à beira da morte, que viaja da África para o Brasil em busca do filho perdido há décadas.

Ao longo da travessia, ela vai contando sua vida, marcada por mortes, estupros, violência e escravidão.

Narrado de uma maneira original e voraz, que prende a atenção do leitor, os fatos históricos presentes no livro estão imersos no cotidiano e na vida das personagens.

Filtro Categorias

Artigos relacionados

Morre, aos 91 anos, Ziraldo, o criador de ‘O Menino Maluquinho’

Morre, aos 91 anos, Ziraldo, o criador de ‘O Menino Maluquinho’

Escritora de Uberaba é primeira mulher a vencer prêmio literário internacional

Escritora de Uberaba é primeira mulher a vencer prêmio literário internacional

Unesco escolhe Rio de Janeiro como Capital Mundial do Livro 2025

Unesco escolhe Rio de Janeiro como Capital Mundial do Livro 2025

Audiência pública vai discutir o novo edital do PNLD para o ensino médio

Audiência pública vai discutir o novo edital do PNLD para o ensino médio

Livros discutem os 60 anos do golpe militar de 1964

Livros discutem os 60 anos do golpe militar de 1964

Academia Mineira de Letras abre inscrições para curso sobre clássicos da literatura

Academia Mineira de Letras abre inscrições para curso sobre clássicos da literatura